www.celiamattoso.blogspot.com

domingo, 7 de setembro de 2008

MEU PRIMEIRO NERUDA

Comprei meu primeiro Neruda em meados dos anos 80, não me lembro ao certo e foi um acontecimento. Li os primeiros poemas ainda em pé na livraria e prometi, na hora de fazer o pagamento, que devoraria o livro e que satisfaria a minha ansiedade da poesia do grande poeta chileno. Qual o que! Li algumas páginas e o Canto Geral, era esse o nome do livro, ficou acumulando a poeira do tempo na estante.
De tempos em tempos olhava para a brochura e continua prometendo que o leria em breve e nada de cumprir a promessa. A vida moderna, com muito trabalho, o nascimento da única filha, o stress e tudo o mais e fui deixando, para o futuro, a leitura. Às vezes lia algum dos poemas para minha filha antes de dormir, mas, sinceramente, ela preferia o Drummond. O verso “O vento brinca nos bigodes do construtor” era o seu preferido e ela ria de modo a ouvir-se de longe.
Tempos depois um amigo, suspeitando que eu fosse um apaixonado pela poesia de Neruda me presenteou com os Versos do Capitão, com uma bela dedicatória. O pequeno livro foi devorado e os versos de amor ainda rondam minhas noites de insônia. “Quitame el pan, si quieres/quítame ela ire, pero/no me quites tu risa”.
Outro dia, decidido a ler poesia e quem sabe participar de um sarau literário, resolvi buscar o Canto Geral do saudoso Neruda na mesma estante onde permaneceu por anos a fio. Qual o que!
- Onde está o meu Neruda? Perguntei impaciente.
Ninguém tinha notícias e minha filha, irônica, ainda perguntou:
- Aquele que você ainda não leu?
Essa frase me fez lembrar de um velho samba do Chico, quando ele diz: “Devolva meu Neruda, que você levou e que não leu”. E é bem provável que eu tenha emprestado, mas não sei para quem. Passei em revista na memória todos os amigos possíveis leitores de poesia e não encontrei nenhuma pista que me levasse ao livro. Que meus amigos me perdoem pela indiscrição, mas cheguei a bisbilhotar suas estantes e nada encontrei. Provavelmente, esse alguém chegou em casa, colocou o livro na estante e nunca mais tocou nele. Uma frase que ouvi do Milton Eto, um amigo professor de literatura portuguesa, bateu forte em minha memória: “Nos empréstimos de livros há sempre dois ingênuos, o que empresta e o que devolve”. Eu era, sem dúvida alguma, o ingênuo.
Enfim, o meu “pobre” Neruda deveria estar em alguma estante esperando pelo seu leitor, que levou e não leu, conclui com tristeza.
Mas o mundo é pequeno e os encontros e desencontros se sucedem quando menos esperamos. Não é que num dia destes, visitando um sebo a procura de alguma preciosidade abandonada, encontrei o livro com a minha assinatura e tudo! Pois então resolvi recomprá-lo imediatamente, mas estava sem dinheiro e sem o talão de cheques. Pedi, encarecidamente, ao proprietário do sebo que o reservasse para mim. Ele prometeu que guardaria até o final do expediente, mas depois disso se alguém quisesse comprá-lo ele não perderia a oportunidade da venda. Dito e feito! Compromissos fizeram com que deixasse para o dia seguinte a visita ao sebo e quando lá cheguei, alguém mais esperto, tinha comprado o Canto Geral. Também pudera! Estava uma pechincha. Desconsolado, xinguei todas as gerações da pessoa a quem eu havia emprestado o livro, que além de não ter lido, o vendeu a um sebo, por uma merreca. Depois pensando melhor, talvez ele tenha emprestado a um outro qualquer que, sem escrúpulos, o deixou num sebo. Com certeza meus amigos não fariam comigo, tal desfeita.
Por estranha coincidência encontrei depois, no mesmo sebo, outro livro do Neruda, o “Tercer Libro de Las Odas” com uma dedicatória: “Maria de Lourdes, São Paulo, Brazil. Recuerdo: 9 de Enero 1979”. Será que Maria de Lourdes leu o poema Ode a la casa dormida e os primeiros versos “Hacia adentro, em Brasil, por altas sierras y desbocados rios, de noche, a plena luna... Las cigarras llenaban tierra y cielo com su telegrafia crepitante.” Não sei se depois de 29 anos, Maria ainda vive e o livro somente foi parar no sebo depois de sua morte. Ou então, o marido enciumado encontrou o livro em meio aos guardados da mulher e descobriu o Neruda que, possivelmente, estava associado a um antigo amor chileno. Especulações, meras especulações...

Renato Ladeia

Nenhum comentário:

Postar um comentário