www.celiamattoso.blogspot.com

quarta-feira, 3 de maio de 2017

A TURMA DO PRIMÁRIO


Estudar depois do primário era praticamente um privilégio nos anos sessenta, pois não havia colégios públicos na periferia de São Caetano do Sul. O único ficava no centro e além da concorrência, ainda era preciso ter QI (ou quem indicou), termo usado na época para indicações políticas. Assim, quem terminava o primário ou ficava em casa ou arranjava um subemprego até completar catorze anos, idade permitida para trabalhar com carteira assinada. Foi o que aconteceu com vários dos meus colegas do Grupo Escolar Padre Luiz Capra. Poucos deles, como Elias Ladislau Pinto, Antonio Avelino, Arnaldo, Nelson Cabral de Lima, Ademir Duó, Piccinini, Roberto Ravagnani, Valter Corotti Trigo, Vagner Benedetti, Valter Belini entre outros foram estudar em um colégio particular, chamado Barão do Rio Branco.
Mário Corbalan Gomez foi um dos meus colegas de curso primário que não foi para o ginásio. Era um garoto bonachão, simpático e sempre sorridente. Ele era o filho mais novo de uma família de espanhóis e sua mãe já devia ter mais de quarenta anos quando ele nasceu.  Como morava a dois quarteirões de minha casa estávamos sempre nos encontrando; ora na rua, ora na igreja ou nas peladas num terreno baldio. Sua mãe às vezes ia chamá-lo durante as peladas gritando em um espanhol que só ele entendia. Depois do curso primário cada um seguiu rumos diferentes. Eu também fui fazer o ginásio no Barão do Rio Branco, graças a uma bolsa de estudos conseguida por contatos políticos do meu pai.  Quanto ao Mário, foi trabalhar com seus irmãos que tinham um caminhão para transportes ou coisa do gênero.
Com quinze anos também comecei a trabalhar, mas diferentemente do Mário, consegui um emprego em um escritório como aprendiz. Às vezes nos encontrávamos no ônibus quando voltávamos do trabalho. Eu com roupas limpas e mãos macias e ele com roupas sujas e mãos calejadas pelo trabalho duro de ajudante de motorista. Confesso que sentia algum orgulho por estar numa situação melhor do que a dele, mas ao mesmo tempo tristeza pela vida não oferecer as mesmas oportunidades para todos os meus amigos, principalmente para os companheiros de infância. Nesses momentos me lembrava de que mesmo tendo poucos recursos, meus pais faziam um grande sacrifício para que eu e meus irmãos pudéssemos ter uma vida melhor e a bem da verdade nem sempre correspondíamos.
                Chegou à época do serviço militar, quando pensei que seria o momento de reencontrar os velhos amigos da escola primária, onde aprendemos as primeiras letras com a professora Teresa Rami, uma mulher elegante, mas muito rígida com seus alunos. Mas qual! O Tiro de Guerra da cidade escolheu apenas os jovens que haviam estudado pelo menos o curso ginasial para o engajamento militar, quanto os demais, foram dispensados por excesso de contingente.  Era na realidade uma forma de exclusão social, não que fosse maravilhoso fazer o serviço militar estudando e trabalhando, mas era uma forma de fazer parte de um grupo, de participar de um ritual de passagem.
                Nesta época encontrei novamente o Mário no ponto de ônibus e ele comentou que estava desempregado. Como eu trabalhava no departamento de pessoal de uma empresa me ofereci para tentar lhe conseguir uma colocação. Passei-lhe o endereço da empresa, mas ele não apareceu, talvez por timidez.
  Dois dias depois quando voltava do serviço militar juntamente com o Ravagnani e Valter Belini, vimos uma movimentação estranha na casa do Mário e viemos saber que ele havia morrido afogado em uma represa em São Bernardo.  Entramos para dar os pêsames à família e lá ficamos por alguns minutos. Assim, três soldadinhos rasos prestaram a última homenagem a um ex-colega de escola desempregado que por falta de ocupação foi se divertir na perigosa represa que já havia levado e continuaria levando várias vidas de garotos das redondezas.  Antes de sair quebramos um protocolo da hierarquia militar e batemos continência diante do caixão de um civil que não havia sido convocado para o exército por não ter ido além do curso primário. Do pobre Mário só restou uma fotografia com toda a turma, tirada um pouco antes de concluirmos o curso primário. A sua história terminou cedo, bem  antes do tempo.