www.celiamattoso.blogspot.com

domingo, 10 de julho de 2016



MARIA DOMITILA, A NOSSA ANNA BOLENA.

Quando li o romance histórico A marquesa de Santos com quinze ou dezesseis anos, fiquei espantado com o nosso primeiro imperador.  No dia da Independência despachou o seu ajudante de ordens para marcar um encontro com a Maria Domitila, uma bela moça separada do marido e pertencente a uma tradicional família paulista. Ficou apaixonado e sempre que podia, arranjava uma desculpa para vir até a pauliceia para rever a amante.
Como a viagem a cavalo do Rio a São Paulo levava quase uma semana, resolveu levá-la para a corte com toda a família. Para isso adquiriu a chácara dos Porcos, que ficava a uma hora da residência imperial. Não demorou muito para Dom Pedro colocá-la como dama de companhia da imperatriz Leopoldina, que sem dúvida deve ter ficado p. da vida. Em seguida o pai, o Coronel João de Castro Canto e Mello virou barão, dando status de nobreza a toda a família.
Ela também foi agraciada com o título de Baronesa de Santos de depois Marquesa, uma homenagem sacana ao Ministro José Bonifácio de Andrada e Silva, cuja família era de Santos. Bonifácio era um crítico do comportamento do imperador, fazendo o papel semelhante ao de Thomas Morus, intelectual inglês e conselheiro do Rei Henrique VIII, que orientava o rei para evitar desvios de comportamento.
Como Henrique Tudor, Dom Pedro reconheceu como legítima uma filha de sua amante, que recebeu o título de duquesa de Goiás. Menos cruel do que o inglês, nosso fogoso imperador limitou-se em desprezar a esposa, humilhando-a na corte. De saúde frágil morreu jovem, deixando um filho herdeiro. Era a oportunidade da nossa Anna Boleyn para oficializar o relacionamento com o imperador.
Mas Dom Pedro preferiu seguir as formalidades monárquicas e tratou de procurar outra esposa na Europa. Isso prova que ele era bem mais pragmático do que o Tudor. Maria Domitila não foi acusada de traição ou decapitada, mas foi despachada para sua terra natal onde passou o resto da vida no ostracismo. Em tese, pois casou-se com um nobre paulista, o Tobias de Aguiar e reinou na sociedade paulistana e teve mais uma penca de filhos. Virou uma lenda e até hoje muita gente acredita que ainda teve tórridos encontros com o imperador no museu do Ipiranga, que na época, ainda não existia.
Dom Pedro casou-se por procuração com uma bela nobre italiana e tentou manter o trono, mas sem sucesso. Entre ficar e ser deposto pela antecipação da república, preferiu deixar o filho, ainda bebê, como herdeiro e retornar a Portugal e restaurar o trono para sua filha, casada com dom Miguel, seu irmão.

Assim, a história de Anna Boleyn ou Bolena, também chamada de Ana dos Mil Dias, guarda grandes semelhanças com a nossa Maria Domitila, pelo seu charme, sensualidade, esperteza e família interesseira, que seduziu e manteve o imperador sob o seu controle por um bom tempo e só não virou imperatriz por causa da forte oposição na corte e no parlamento.  

2 comentários:

  1. Bela síntese do romance de Paulo Setúbal, Renato. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela leitura Brandão. A crônica sobre Piedade não está publicada por algum lapso meu. Grande Abraço.

    ResponderExcluir